CONCEITUAL

O projeto Paisagens Sonoras Sub Aquáticas foi pensado como um projeto de "entretenimento" para grandes massas - comumente instalada em épocas do ano com grande fluxo de pessoas frequentando a piscina ou complexo - chegando a vários milhares por um período de 15 dias.

Este viés de entretenimento, porém esconde algumas ambições estéticas um pouco mais elaboradas : a exploração musical dos parâmetros fortemente afetados pelo meio em si - a velocidade e as reflexões acústicas - através de fortes modulações na panorâmica em octofonia e mais recentemente em versão quadrafônica. O humor - como nas diversas intervenções de sons de antigos desenhos animados e toda a hiperbolização de sentido.

Os robôs tocadores de amostras (sample players) são equipamentos especialmente desenvolvidos para o projeto e que trabalham mesclando e escolhendo elementos que comporão a espacialização sonora - os diversos sons e sonoridades são divididas nas categorias : percussão, vozes, orquestrais, comics, instrumentais (guitarra, marimba, clarinete, piano preparado, etc) e eletrônica. São divididos ainda em bancos de acordo com o conteúdo de "massa", ou de maior a menor densidade de elementos : densidade alta, média, baixa e lounge. Um microfone externo (de celular do tamanho de um grão de arroz) mede a intensidade dos ruídos locais e seleta o banco específico de acordo com a quantidade de pessoas e do ruído que elas produzem em tempo real.

Os robôs players são construídos com placas de controle Intel Edison, com tocadores de mp3 (em 320 Kps / VBR) tipicamente com 32 Gygabytes de memória em memória flash e programados em C++. A saída em formato P2 é conectada em até 4 amplificadores valvulados de 400 Watts RMS / 4 Ohms por canal. Cada canal é conectado a um hidrofalante.

O resultado é uma verdadeira imersão. Uma sensação jamais experimentada. Uma experiência que se leva por toda a vida. Uma brincadeira com sons e sentidos cujo conteúdo é ao mesmo tempo leve, de bom gosto, bem humorada e altamente experimental.