"Dialogando Com o Invisível"
           (homage to György Kepes)
Wilson Sukorski
Projetos 2000
Instalação Sonora Reativa 

Realização
Prefeitura Municipal de Santo André

22 de Julho a 22 de Agosto
(Rua Coronel Oliveira Lima 410)
..."Percebemos o mundo através de um estreito filtro biológico, mesmo quando todos os sentidos estão trabalhando juntos - um reforçando o outro"..."Nossos sentidos foram se adaptando somente aos aspectos da Natureza que são significantes ã nossa sobrevivência biológica"..."o homem sempre tentou estender seu campo de experiência sensorial sobre o ambiente..."
"Gyorgy Kepes - The New Landscape in Art and Science - 1967"


 
Sensores e Sentidos
Extensores da Percepção e Música Automática
 
A evolução da ciência do século XX se fez em direção contrária aos sentidos da percepção normal do senso comum. O universo máquina dá lugar ao universo micro e macro quântico.O campo eletromagnético - do qual os sentidos humanos apreendem apenas uma pequena janela - se torna campo onde a realidade é possível.

Muitos esforços e recursos foram aplicados na concepção e construção de aparatos tecnológicos para explorar  toda esta nova faixa do real - que apesar de invisível  aos sentidos humanos - são determinantes para a  compreensão da vida e da natureza em sentido mais amplo.

Gyorgy Kepes - artista visual e um dos criadores da Bauhaus - já na década de 40 desafiava os artistas a 'colonizarem' estes novos espaços perceptivos 
trazidos pela ciência. Em seu livro antológico "New Landscape in Art  and Science" chega mesmo a vislumbrar  a fusão entre Arte e Ciência - como forma não reducionista de encarar estes novos horizontes ontológicos que se abriam para o ser humano.



A instalação "Dialogando com o Invisível" é uma reflexão sobre o tema  - e deverá desembocar numa grande instalação ambiental fixa e perene chamada "UnderGarden" .

Aqui procuro 'isolar' alguns dos aspectos energéticos  (em sua maioria invisíveis) de um ambiente e transformá-los em metáforas poéticas - 'inputs' de um sistema composição musical automático e de outros elementos de poética ambiental. A criação de um meta-ambiente !!

Máquinas musicais. Máquinas de sentido. Máquinas de poética. Máquinas reativas. Máquinas sensíveis.
Mudamos nós ou mudaram as máquinas ?? Talvez a resposta : mudou nosso universo. 


 
 
Fora da Banda em Santo André

A instalação que agora se realiza em Santo André no calçadão central da Oliveira Lima, com um fluxo diário médio de 10.000 pessoas,  pode ser definida como uma verdadeira intervenção urbana. A princípio, uma zona de interferometria semântica é criada com 51 versões narradas de 42 textos, (de filosofia : Aristóteles, Heidegger, Bergson, Nietzsche; passando por ciência : Einstein, Bohr; até estórias em quadrinhos : Möebius; literatura, ocultismo, ciência de vanguarda, etc.)  Os textos, narrados por Mika Winiaver, versam todos sobre a trajetória histórica da compreensão humana daquilo que é invisível,  por estar fora da banda de percepção dos sentidos.
Este ambiente textual é superposto por várias camadas de música eletrônica digital incidental e ainda algumas surpresas, brevidades sonoras que cruzam o espaço. O fluxo de pessoas através desta zona e o estranhamento causado pela discrepância entre a paisagem sonora urbana do local e os novos sons aí colocados : aleatórios, estrangeiros, inquietantes, anti naturais – é o elemento primário do contato artístico musical que se espera. Um contato efêmero,  prenhe de acaso, noosférico. A Arte é coisa mental, diria Leonardo da Vinci.
O tempo médio de passagem através do “Projeto Fora da Banda” é quase igual a duração de um comercial de televisão (ao redor de 30 segundos),  o estilo das narrações porém muda sempre, indo desde a voz neutra quase professoral, passando pela voz sedutora dos comerciais, até distorções eletrônicas – como se o personagem estivesse situado em uma região supra ou infra humana - a nos dizer de suas inquietações conceituais.  Inquietações de outro mundo, o mundo da imaginação.
Num segundo momento, sensores instalados na marquise do Shopping Santo André, captarão impulsos  ambientais naturais como intensidade de luz, variações pequenas de temperatura local, mais o fluxo das pessoas. Estas energias serão convertidas em música através de aparatos de altíssima tecnologia.  Os passantes serão então convidados a interferir sonoramente no ambiente já criado – seduzidos a participarem como protagonistas, tanto na conscientização de si mesmos como corpúsculos que agregam som e vida ao local, e talvez brincarem (do inglês ‘play’; do francês “jouer”) neste hiper instrumento ambiental.
Dentro de minha experiência profissional de músico, compositor e criador de poéticas sonoras, o presente projeto “Fora da Banda” representa a realização de idéias que acalento desde 1979, quando a tecnologia disponível hoje, residia no plano da fantasia. Poder ter o prazer de expor minhas idéias a um público tão amplo - calculado entre 200 a 300 mil pessoas durante um mês – um público tão diverso, tão sensível, é para mim uma grande honra a que espero corresponder à altura que me impõem minhas espectativas.

Wilson Sukorski
Julho de 2000

 
 


 
 


 
 

Imagens da Apresentação de 
Wilson Sukorski & Fernando Sardo
Marquise do Shopping Santo André
29 de Julho de 2000


 
Textos Utilizados

Narração : Mika Winiaver
Montagens : Wilson Sukorski

Excertos Musicais e Textuais em MP3

1. Bergson (2'32 - 2.33 Mgbytes)
2. Helena Petrovna Blavatsky
(1'19 - 1.19 Mgbytes)
3. Oscar Wilde ( 1'30 - 1.37 Mgbytes)
4. Graphos

 
Fotos para Release