Rádio Teatro - Arte Acústica

Petra

 

(Baseado no conto "Petra" de Greg Bear, incluída na coletânea cyberpunk : Mirroshades - Editora Harbor House NY, 1986)

música, tradução e direção

Wilson Sukorski

Roteiro

Rádio-atores :

Narrador; Corvus; Estátua do Apóstolo Tomás;

o Bispo; Pedra-Cristo.

Rádio-atrizes :

Constantia; Mulheres do Coro.

Cena 1

Abertura

Música densa (Pedras sendo raspadas - Sampler)

Vozes e lamentações em background...

 

Narrador : Voz Pétrea - transformada eletronicamente

Música segue bem ao fundo

....Sou um feio filho da pedra e da carne, não há como negar. Não me lembro de minha mãe. Possivelmente deve ter me abandonado logo após o nascimento. Além do mais ela está morta. Meu pai - uma coisa feia, bicuda e meio alada, que aliás parece com o filho - nunca vi. Por que um infortunado como eu aspiraria ser um historiador ? Tudo começou quando....

Música - faz o brake

Certa ocasião eu estava escondido atrás de cortinas puídas e ouvi um padre instruindo seus noviços sobre a pura carne, sobre Mortdieu. Ainda trago vivas as suas palavras...

Narrador imitando a voz do Bispo :

- "Tanto quanto sei, Mortdieu ocorreu há 77 anos atrás. Despreendendo uma magia que levou o mundo à perdição, mesmo assim poucos perceberam que Deus-em-Si havia morrido".

Ou, colocando as coisas claramente. Todas as amarras do nosso ex- grande universo se soltaram, o eixo se moveu aleatoriamente, as portas cósmicas se fecharam, e todas as regras da existência perderam seus fundamentos.

Ouvi dizer por pessoas de confiança do longo declínio. Nos lugares onde o pensamento do homem era forte, a mudança da realidade era apenas um fator incomodante. Mas onde o pensamento era fraco ela desapareceu totalmente engolida pelo caos. Cada desilusão se tornava tão real e sólida quanto a matéria. Dor cega, fogo correndo por nossas veias, ossos quebrados e a carne virando poeira. Aço escorrendo como líquido. Chuva de ámbar caindo do céu. Multidões lotando as ruas de traçados constantemente modificados. Não sabiam o que fazer. Estas mentes fracas não podiam mais suportar...

Alguns humanos eram tão irracionais que lidavam com isto. Mas, nações inteiras desapareceram, ou se tornaram um redemoinho de miséria e depravação. Dizem que algumas universidades, museus e bibliotecas sobreviveram, mas não temos nenhum contato.

Narrador com voz normal novamente :

Nossa catedral sobreviveu. A racionalidade das vizinhanças, entretanto foi se tornando mais fraca. A catedral sofreu. Sobreviventes - cléricos e ajudantes, trabalhadores procurando pelo santuário tiveram visões terríveis, e sonharam sonhos terríveis. Eles viram os ornamentos de pedra da catedral se tornarem vivos. Se alguém ver e acreditar, num universo sem qualquer fundamento, as coisas se tornam reais, assim meus ancestrais viram a pedra se tornar carne. Séculos de celibato de pedra pairavam sobre aquelas esculturas. Quarenta e nove freiras que se abrigavam na catedral foram descobertas...Mortdieu tinha um efeito surpreendentemente afrodisíaco sobre todos e a conjunção carnal aconteceu...

Não havia período de gestação definido...Mas a carne não rejeitou a pedra e então passaram a existir os filhos e filhas da carne e da pedra, incluindo eu....

Música sobe e toma todo o clima.

Vozes e lamentações do início ficam agora em primeiro plano...
 
 

Cena 2

Música Litúrgica : Sons de Órgão tocado por um Louco.

Ladainhas em background...

Narrador - num tom de voz de quem conta história :

...No tempo em que nossa história se inicia, as crianças de carne e pedra ainda procuravam pela Pedra-Cristo... Aqueles de nós que nasceram da conjunção de santos e gárgulas com as freiras beatificadas, preferiram manter um celibato de pedra...Mas algo de proibido estava acontecendo. A filha do Bispo, cujo nome era Constantia estava apaixonada por alguém de carne e pedra chamado Corvus . Se apaixonar era proibido mesmo entre os de pura carne. Os amantes não eram casados e seu pecado me intrigava :

  Corvus : Você já beijou um homem antes ?

Constantia : Sim...

Corvus : Quem ?

Constantia : Meu irmão. (Rindo).

Corvus : E ? (Com a voz dura de quem poderia matar o irmão dela se pudesse encontrá-lo).

Contantia : Um amigo chamado Jules.

Corvus : E onde está ele agora ?

Constantia : Se perdeu numa expedicão para buscar lenha...

  Narrador :

  ...E como eu sou um historiador e não um voyeur deixei os dois amantes em sua paixão...

Cena 3

Música muda totalmente : Tambores e Sons Eletrônicos

Narrador :

...depois de assistir um dos encontros clandestinos dos jovens amantes, eu fui me encontrar com a estátua gigante de cobre do Apóstolo Thomás... Ele carregava uma tabuleta com seu nome, e conhecia a Catedral melhor que ninguém. A maioria dos monstros o deixavam em paz - talvez por medo...Eu me aproximei e sentado na caixa aos seus pés disse :

"Uma irmã de carne está vendo um filho da carne e pedra".

Thomás ( com a voz bem metálica ) : Com o tempo, isto aconteceria.

Narrador : Mas não é pecado ?

Thomás : É algo tão monstruoso, mas é um pecado do passado e agora é uma necessidade. Acontecerá mais com o passar do tempo.

Narrador : Eles se amam, ou pensam que sim...

Thomás : Eu e o Outro fomos os únicos a não fornicar na noite de Mortdieu. Só eu - e o Outro - é que podemos julgar... E você já me viu julgar alguém, meu feio amigo ?

Narrador : Nunca.

Thomás : Agora me deixe só com minha tristeza. E boa sorte a eles...

Música ficando mais forte : Os tambores crescendo.

Narrador sózinho :

O Bispo da Catedral era um homem velho. Dizem que nem tinha sido bispo antes de Mortdieu, mas um peregrino. Era pequeno, compacto e violento. Era sua a ordem que todos os filhos de carne e pedra que não tivessem a forma humana fossem mortos...

Música se mistura com rumores que se aproximam.

  Narrador : Mais rápido :

  ...Havia muito movimento, e isto era difícil de ver. Alguém estava preparando a forca, e as tropas estavam procurando por um alpinista muito rápido. Houve tiros...Eu sai da sombra e indiquei um buraco lateral ótimo como ponto de escape...Nem houve tempo de agradecer...Corvus escapou...

Os rumores diziam que a figura tinha sido visto com uma jovem garota. Os homens e mulheres que viviam nesta atmosfera viam na execução de alguém uma das poucas chances para alegria...Minha curiosidade me levou para mais perto :

  Crescem os rumores e a Música (mais tambores).

  Alguém grita : É ele ! Ele não fugiu !

...As tropas mascaradas do Bispo podiam marchar livres em todos os níveis da construção e eu estava cercado. (Sons de correria, de perseguição, a turba enlouquecida) . Acabei encontrando um túnel que eu nunca havia visto antes, logo eu que conhecia a Catedral de cima a baixo...

Música vai em crescendo até atingir um ponto insuportável e corta súbito, como que caindo dentro de um tunel.

 
 

Cena 4

Música dividida em dois planos contrastantes :

Celestial e Tensa.

Narrador : (Quase sussurrando) - Música Tensa ao fundo.

...A catedral era uma constante surprêsa...Enquanto a tropa se amontoava ao redor do buraco, fui descendo a escada profundamente encravada na pedra...Água e limo tornavam a descida escorregadia e perigosa. Por um momento eu estava numa escuridão tão profunda que nenhuma luz podia penetrar...Depois eu vi um facho de luz amarela...Com cuidado, fui seguindo silenciosamente...Atravessando um portão de metal entrei na pequena câmara iluminada...Havia uma besta morta no chão, estava lá com certeza há alguns meses, mas ainda rescendia...

(Música cresce....)

  ...A despeito de meu medo, peguei um candelabro e segui para a próxima seção de túneis...Atravessei mais um portão de metal, e aí senti o mais puro cheiro de pedra, como do raro jade ou do mármore virgem...Então eu respirei o ar mais puro e fresco de toda minha vida, como que saído dos pulmões de um santo, cujo corpo não corrompe, mas pelo contrário aspira a corrupção e a devolve limpa e fresca...Meu bico ficou aberto...A luz iluminou algo, uma figura que me pareceu uma criança a princípio...Era um homem de uns 30 anos, bem formado, com uma cabeça bela, mãos elegantes e pálido como gelo. Fitava a parede de costas para mim...Fui me aproximando (Cresce o suspense musical) e com a ponta de minhas asas toquei seus ombros :

(Música subitamente fica Celestial...)

  - Perdoe-me Oh ! Alegria dos Desejos do Homem ! Perdoe-me...

- Você está perdoado. Você viria mais cedo ou mais tarde, melhor agora que mais tarde...Por que veio ?

- Fugindo das tropas do Bispo.

- Sim o Bispo. A quanto tempo estou aqui ?

- Desde antes de meu nascimento, meu Senhor. Sessenta ou setenta anos. O que posso fazer por você, meu Senhor ?

- Vá embora !

- Não poderei viver com essse segredo. Você é a salvação. Você pode vencer o Bispo e manter todos juntos.

- Eu não sou um general, nem um soldado. Por favor vá e não diga nada...

Narrador : (Volta a Música Tensa em corte)

  ...Senti uma respiração atrás de mim...Depois um som de bala passou bem perto de minha cabeça (Ruído de tiro) ...Pulei para o lado e vi uma espada de pedra cair bem no lugar onde estava... Uma figura meio parecida comigo...O Cristo levantou Sua Mão. Eu ainda em choque olhei para meu agressor - uma cara preta de raiva - parado apenas pela força da Sua mão...Devia ter percebido que algo havia matado aquela besta, e alguém tinha que manter os castiçais com as velas acessas...

  - Mas Senhor, (Voz da Besta - grave e transformada) ele dirá tudo.

  (Música Celestial com vozes)

  - Não. Ele não dirá nada a ninguém. Vá. Vá.

 (Música em stretto - Celestial e Tensa ao mesmo tempo.)

Narrador :

  ...Subindo pelos túneis, dentro da atmosfera alaranjada da Catedral, chorando, rosnando e febril. Não fui procurar pelo gigante. Eu tinha que manter silêncio...Como se minha garganta tivesse sido cortada...

  (Música cresce e toma conta de tudo).

Corta para burburinho mais a Música dos Tambores...

  ...Na outra manhã observei de um canto escuro, aquele estranho homem num robe imundo. Seu nome era Psalo. Todos o achavam meio louco...Nesse dia suas palavras me tocaram profundamente...Ele pedia ao Bispo que tirasse as cortinas que cobriam os vitrais da Catedral, iluminando-a por inteiro...O Bispo havia respondido como sempre que isso só aumentaria o Caos...Qualquer estímulo poderia colocar em risco a segurança dos habitantes da Catedral...

Cena 5

Música composta por uma miríade de vozes femininas.

Narrador :

...Já não tinha nenhum prazer em observar os dois jovens amantes. Seu amor crescia. Constantia e Corvus ficaram cada vez menos cautelosos, seus planos maiores...

Corvus :

- Devemos anuncia nosso casamento.

Contantia :

- Eles nunca permitirão. Eles irão.....cortar você.

- Eu sou veloz. Eles nunca me pegarão. A Igreja precisa de líderes, bravos revolucionários. Se ninguém quebrar as tradições todos sofrerão.

- Eu temo pela sua vida e pela minha. Meu pai me retirará do rebanho como uma ovelha doente.

- Seu pai não é um pastor.

- Ele é meu pai...

Narrador :

...Ficava sentado ouvindo, olhos meio fechados...Podia antecipar cada frase e resposta...Amor imortal...Esperança de um futuro melhor...Glória e União...Já havia lido esse tipo de história nas novelas românticas...Sempre comparava a banalidade do que eles estavam dizendo e fazendo com a infinita tristeza da Pedra-Cristo...Fui me tornando de inocente em cínico...A transição me excitava, mas o futuro era claro...Corvus seria capturado e executado, e se não fosse por mim isso já teria sido castrado ou atér morto. Contantia se envenenaria...Cantores fariam canções para eles...Talvez até eu escreva sobre eles...

Música sobe as vozes falam de amor...

Corta e entra num clima mais intimista.

  ...Naquela tarde sonhando com visões da Pedra-Cristo, sonhei com homens puros, anjos e santos...Acordei súbito - isso é parte do meu treinamento - e vi alguém que respirava duramente :

- Sou Pedro. Também conhecido como Simão. Eu sou a rocha da Catedral, e os papas são os herdeiros de minha função.

- Eu também sou de Pedra. Ao menos em parte.

- Então seja. Você é meu herdeiro. Vá em frente e se torne Papa. Não reverencie a Pedra-Cristo, pois Cristo só é bom quando Ele pode sê-lo, e já que Ele não faz nada, não há salvação Nele.

  ...Eu imaginava que esta coisa de Papas tinha sido abolida após o Concílio. Logo eu que sempre achei melhor seguir os conselhos do Gigante e ler aquilo que ele me mandava...Mas para ser Papa é necessário ter uma legião de pessoas que obedeçam as suas ordens...Então decidi aparecer na nave mais alta e me anunciar para o povo.

Música de Anunciação.

Vai mudando para uma Música de Praça com ruídos característicos.

...Foi difícil caminhar por entre as pessoas na nave intermediária onde fica o mercado. Alguns mexeram comigo, mas meu bico os desencorajava...Subi na parte mais alta, limpei minha garganta, pronto para anunciar a todos a minha visão... Eu tentei contar a todos, mas com a chuva de vegetais que caiu sobre mim, e o escárnio geral, fui obrigado a entrar em um pequeno túnel para fugir...

Volta a música do início da Cena

...Revelação aberta não era o caminho...Fiquei então planejando algo que fosse grande, espetacular, inacreditável...Enquanto eu pensava ouvi a voz do Bispo se erguendo por sobre todos...Olhei para baixo e vi as tropas mascaradas segurando alguém...

Voz do Bispo : Música Marcial. Forte.

- Saibam todos aqueles que me escutam agora, este jovem bastardo de pedra e carne...

Narrador :

...Corvus eu pensei. Finalmente capturado...

Voz do Bispo :

- ...violou todas as regras que consideramos sagradas, e deve pagar por seus crimes aqui neste lugar amanhã a esta hora. Kronos ! Marque o caminhar da Roda.

Barulho da Multidão : Música segue Marcial.

Psalo pergunta :

- Qual o crime. Nomeie o Crime !

Bispo :

- Violação do nível inferior.

- Qual o motivo para tamanho castigo. Estou detectando um crime mais grave aqui. Qual é o crime ?

- Ele tentou raptar minha filha Constantia.

Todos se calam.

Narrador : Música do início da Cena.

...Psalo nada pôde dizer. A penalidade era a castração e a morte...Fiquei ali olhando Corvus sendo escoltado...O que Corvus queria fazer era colocar todos no mesmo nível, de tal forma que não existiriam mais as diferenças entre a Pedra e a Carne...

Musica toma conta de tudo.

Lamentos, muitos Lamentos.

 
 

Cena 6

Música mais rápida e agressiva

Narrador : Em tom de epopéia.

...Fiquei pensando em minha herança divina.. Queria ver meus filhos brincando livres na floresta...Tudo que tinha a fazer era : distrair o Bispo e sua patrulha, depois libertar Corvus colega revolucionário...Então naquela noite fui procurar o gigante :

Thomás o Gigante :

- Nós perdemos tempo se tentarmos colocar algum sentido em suas cabeças. Mas nós não temos nada melhor do que perder tempo.

Narrador :

- O que posso fazer ?

- Ilumine-os.

- Eles são duros como tijolos de barro ! Tentarei iluminá-los...

- Então ilumine-os.

Narrador :

...Fiquei correndo pela parte alta da nave... Estava muito excitado...Encontrei alguns pedaços de vidro das janelas cobertas da Catedral...As crianças usavam como brinquendo e as jovens como jóias...Num livro antigo eu tinha visto as janelas coloridas da Catedral...

Voz de Thomás o Gigante :

- Ilumine-os.

Narrador :

...Me lembrei da idéia de Psalo de trazer luz à Catedral...Andando pelos túneis na parte superior da nave, encontrei as cordas que prendiam as pesadas cortinas que cobriam as janelas...Tentei fazer cálculos, mas decidi que todas as janelas deveriam ser descobertas...

Cena 7

Música mistura de todas as Outras.

Pedras muitas Pedras.

Narrador :

...Passei toda a noite até a tarde cortando as cordas que prendiam as cortinas...Depois sentei-me e esperei...Constantia estava olhando num balcão de madeira ao lado do Bispo. Era o local para assistir às execuções...Corvus estava preso em pé bem no centro do transsepto...Eu conhecia o procedimento : o homem velho procedia ao castramento, e depois retirava a cabeça...De repente a Catedral se encheu de um grande barulho, e as cordas cederam (Música mimetiza) ...Em três minutos todas as cortinas tinham caído...No começo a iluminação era difusa e leve talvez filtrada por alguma nuvem que passava...Então um fluxo de luz atravessou este mundo esfumaçado e tornou tudo pura claridade...

Música faz o brake.

Narrador com a Voz diferente - Outro personagem. Épico.

...Os olhos acostumados com o escuro alaranjado, com a fumaça, a bruma e a sombra, não conseguiam ficar nesta glória sem um efeito drástico...A nave superior e a inferior fervia de reflexos pontuada por figuras de sonhos crianças embaladas por áuras de luz, Santos e prodígios, palhaços vestidos em fogo entretidos, animais desconhecidos na Catedral saudavam a todos graciosamente, coisas abstratas : bolas brilhantes presas por fios dourados e elásticos de seda, cantando e flutuando...A Catedral se tornou um enorme receptáculo de todos os sonhos de seus cidadãos...

Música sobe e domina o ambiente.

...Eu vi Corvus...As mãos ainda presas pelas cordas sendo levado por uma velha senhora...Constantia também o viu...Eles deram as mãos e ela com a faca roubada de um dos guardas cortou as amarras...Ao seu redor o sonho mais brilhante começou a espiralar...em puro branco e em vermelho-sangue e em verde-oceano...

Música faz o brake

Depois muda para uma atmosfera mais pesada. Pedras.

...Esperei por algumas horas...Então subi até o púlpito onde o Bispo costumava ficar e disse para a multidão :

- Chegou a hora ! Precisamos nos unir já, precisamos nos unir...

...A princípio eles me ignoraram. Eu sou bem eloquente, mas seu excitamento era enorme...Esperei mais um pouco e repeti a dose...Pedaços de frutas e vegetais voaram em minha direção...Monstro, eles gritavam...Me escondi num pequeno buraco e fiquei pensando o que tinha feito de errado...Depois de um tempo cheguei a conclusão que no meu caso era menos o estígma da Pedra e mais a minha feiura que estragava minha tentativa de liderança...Mas tinha aberto caminho para a Pedra-Cristo....

Música das Pedras.

 
 

Cena 8

Música Celestial

e Música de Ação se revezam.

Narrador :

...Desci até a câmara escondida...Estava tudo quieto lá...Encontrei primeiro o monstro de Pedra... Ele disse :

- Você de novo ? - (Voz monstruosa)

- Quero ver a Pedra-Cristo...

- Ele está dormindo.

- Tenho assuntos importantes.

- Ah ! Então deixe-me ouvir.

- Não. Só para Ele.

...A Pedra-Cristo parecia mais velha agora...Ele perguntou :

- O que você quer agora ?

- Eu preparei o caminho para Você. Simão chamado também Pedro me disse que eu seria o herdeiro de seu legado, que eu deveria vir depois de Você...

- Você realmente pensa que Eu seja a fonte de onde toda a benção jorra ? O que você fez lá fora ?

- Trouxe-lhes a Luz.

- Você me parece uma criaturinha esperta. Já ouviu falar em Mortdieu ?

- Sim.

- Então deve saber que Eu mal tenho poder para me manter, que tenho menos poder que qualquer um lá fora. Minha fonte primeira se esvaiu. Opero nas reservas e estas se esgotam rapidamente. Você é muito feio e Eu sou muito famoso. Meu tempo se foi...

Música Celestial se desfaz...

 Narrador : Voz desapontada.

...Então eu não serei o Papa...Mesmo depois de ter sido indicado diretamente por São Pedro...Fui então procurar o Gigante de cobre...

- Por que tão triste ?

- Humm...

- Está vendo lá fora ? Aquelas florestas lá já foram uma grande cidade. Com milhares de artistas, prostitutas, filósofos e acadêmicos. E quando Deus morreu todos os artistas, filósofos, prostitutas e acadêmicos não mais conseguiram manter a Fábrica do Mundo unida. Talvez MortDieu tenha sido o aviso que estamos finalmente soltos. Teremos que cuidar de nós mesmos, reconstruir o mundo sem auxílio...

- Fico pensando em quem poderá tomar o lugar ?

- Eu sou o próximo. Estamos livres. Denso como Pedra. É uma grande responsabilidade. Precisamos coordenar nossos pensamentos, nossos sonhos. Construir o próprio Céu. O mundo passado foi um campo de treinamento, cheio de regras e restrições. O que eu digo é que teremos que evoluir para algo mais maduro. Eu te ensinei a respeito das regras da Arquitetura, não ? A necessidade de harmonia, interação, utilidade e beleza. Para reconstruir o Universo precisamos das mesmas regras. Com certeza teremos que experimentar, e talvez falhemos. Mas agora trabalhamos por nossa própria Glória. Você não acha, meu feio amigo ?

Narrador :

Música de Pedra.

...Como toda história, a minha começou com o pequeno e termina com o grande...mas ao contrário dos historiadores, eu não tenho a luxúria do Tempo. E a história que conto não está concluída...O próximo passo será o maior, e não tenho idéia do que poderá acontecer...Ou como diz o gigante :

- Há muito tempo o teto caiu. Agora nós temos que levantá-lo novamente, reforçar suas estruturas. Não só consertá-lo mas substituí-lo totalmente. Nós somos a sua estrutura. E a Pedra e a Carne juntas são muito mais fortes.

...Nisso alguém perguntou :

- E se nossos braços se cansarem de segurar o Céu ?

...Como vocês veem temos um longo caminho pela frente...

Música de Pedra.

Wilson Sukorski

Fevereiro 95