Rádio Teatro - Arte Acústica

Spider Rose / Rosa Aranha

 

 

(Baseado no conto "Spider Rose" de Bruce Sterling, incluído no livro de contos "Crystal Express" Arkham House Editions 1990.)

música, tradução e direção

Wilson Sukorski

Roteiro

Personagens

Atores :

1 Investidor, 1 Shaper.

Atrizes :

Rosa, 3 Narradoras, 3 Cantoras.

 

Cena 1

Rosa

Nuvens de Vozes Femininas...

Pedal em Sampler...

Narrador 1 : (Posição Central na Panorâmica)

...Nada. Nada era o que Rosa Aranha sentia, ou quase nada...

Narrador 2 : (Posição Esquerda)

...Havia alguns sentimentos ali...Uma mistura de emoções com duzentos anos de idade...

Narrador 3 : (Posição Direita)

...Emoções que ela massacrou com uma injeção craniana...Agora tudo o que sobrou foi aquilo que sobra quando um "roack" é acertado por um martelo...

Narrador 1 :

...Ela observava por 8 telescópios, as imagens colhidas e transmitidas ao seu cérebro através de uma junção de nervos e cristais na base do crânio. Tinha oito olhos agora, como seu símbolo : a aranha...Seus ouvidos eram agora um fraco pulso de radar, ouvindo....ouvindo uma estranha interferência que parecia ser uma nave dos Investidores...

Narrador 2 :

...Rosa Aranha era esperta. Poderia ter se tornado insana, mas suas técnicas de monitoração estabeleciam as bases químicas da sanidade, e as mantinham artificialmente...Rosa Aranha aceitava isso como normal...

Narrador 3 :

...E isso era normal...não para seres humanos, mas para uma Mecanista de duzentos anos de idade, vivendo numa teia circular orbitando Urano...Seu corpo mantido à hormônios, seu velho rosto como um molde de plástico...

Narrador 1 :

...Seus longos cabelos brancos, uma profusão de fios de fibras óticas implantadas brilhando como gemas microscópicas...Era velha, mas não pensava nisso...Era solitária, mas escondia essses sentimentos com drogas... E ela tinha algo que os Investidores queriam...Algo que esses répteis comerciantes alienígenas dariam a mãe para conseguir...

Narrador 2 :

...Presa em sua teia de aranha de policarbono, dentro do compartimento de carga em um dos nodos, ela tinha uma pedra preciosa do tamanho de um ônibus...

Narrador 3 :

...E assim ela ficava observando...Instrumentos ligados no cérebro, incansável, sem nenhum interesse em particular, mas certamente atenta...Falta de atenção era perigoso...Levava a distração, e a distração poderia ser fatal no espaço, onde a malícia ou um plano mal concebido poderia matar...

Narrador 1 :

...E lá estava ela, a nave dos Investidores, clara no seu receptáculo de oito olhos, a um quarto de milhão de quilômetros no espaço. Não era uma nave convencional, nem radiava qualquer energia conhecida...

Narrador 2 :

...O segredo de sua tecnologia era fortemente guardado...Ela então enviou um laser de comunicação direta...O rádio podia ser perigoso, poderia atrair piratas Shapers...Ela já tinha matado três deles uma vez...

Narrador 3 :

...Ela carregou um programa de tradução da linguagem dos Investidores no computador principal...Era um programa antigo de 15 anos atrás...Mas os Investidores eram persistentes e conservadores... A nave inflou uma enorme vela decorada, suficiente para embrulhar uma pequena lua...Tinha enormes desenhos em toda sua extensão...A grande rainha aparecia no centro, coberta de jóias e adornada por haréns de machos, circundada por milhas de hieroglifos na língua dos Investidores, colocados numa pauta musical para indicar a entonação correta - sua linguagem meio cantada...

Cena 2

Contato com os Investidores

Rosa :

...Após um pouco de estática no monitor, aparece um rosto. Tiro o plug do pescoço e observo essa face : seus grandes olhos vidrados meio escondidos por uma membrana, brincos pendurados nas orelhas em forma de pinha, pele escamada, sorriso de réptil com dentes em forma de estaca...Ruídos

Voz sintética :

...Lydia Martinez ?

Rosa :

Sim ! (pensando) Não vou explicar que meu nome mudou, eu que já tive tantos nomes...

Voz sintética (agora aparece sibilado ao fundo) :

Fizemos bons negócios com seu marido no passado...Como ele tem passado ?

Rosa :

Ele morreu à trinta anos atrás...(escondendo a emoção). Os shappers assassinos mataram ele.

Voz sintética com sibilado :

Mau para os negócios...Onde está a jóia que você mencionou ?

Rosa :

Prepare-se para receber os dados...

Narrador 1 :

Enviou a mensagem através de laser...Parecia uma eternidade...Tinha minerado por anos ao redor do proto-planeta Urano...Ficara forçando as rachaduras da lua até que ela se fraturou em milhões de pedaços formando o famoso "Complexo do Anel"...

Narrador 2 :

Essa maciça camada flutuando criou um campo energético particular...Então cargas elétricas muito fortes disparando por todo o anel... Muitos dos minerais viraram plasma, outros mudaram sua estrutura... Havia grandes pedaços de diamante fundidos através de forte pressão em camadas de carbono metálico... Esses diamantes transformaram-se em algo rico e único, e por definição precioso...

Voz sintética :

Você nos intriga...Esta é uma commodity inusitada...Oferecemos um quarto de milhão de gigawatts...

Rosa :

Eu tenho energia suficiente para minha estação e para minha defesa. É generoso, mas não poderia amarzenar tanta energia...

Voz sintética :

Nós também te daremos um compartimento de plasma estabilizado para armazenamento...

Rosa (pensando) :

A construção de tal compartimento está muito além da tecnologia humana, e ter um deles seria uma coisa fabulosa, mas também um problema. "Não estou interessada".

Voz sintética :

Não está interessada na principal moeda intergalática ?

Rosa :

Não quando só posso gastar com vocês.

Voz sintética :

Negociar com raças jovens como vocês é muito interessante. Suponho que você quer informação, então. Vocês raças jovens sempre querem negociar tecnologia. Temos algumas técnicas dos Shappers que podemos passar para vocês. Está interessada ?

Rosa :

Espionagem industrial ? Vocês tentaram me vender à oitenta anos atrás. Não. Eu conheço vocês Investidores muito bem. Vocês não exitarão em vender nossas informações a eles, tudo para manter o equilíbrio de poder...

Voz sintética :

Gostamos de um mercado competitivo. Nos permite eliminar situações de doloroso monopólio como o de agora, negociando com você...

Rosa :

Não quero poder de nenhum tipo. Status nada signifca para mim. Mostre-me algo novo.

Voz sintética :

Sem status ? O que seus amigos pensarão ?

Rosa :

Vivo sózinha.

Voz sintética :

Bem...tentemos outro lado. Armas ? Se você aceitar certas condições de uso, podemos fornecer equipamentos únicos e poderosos.

Rosa :

Eu tenho o que preciso.

Voz sintética :

Podemos usar nossa influência política. Podemos influenciar poderosamente os maiores grupos Shappers, e protegê-la deles através de um tratado. Poderá levar dez ou vinte anos, mas poderá ser feito...

Rosa :

Eles é que me temem ! Não vice-versa.

Voz sintética (pacientemente) :

Um novo habitat, então. Poderá viver em ouro sólido.

Rosa :

Gosto do que tenho.

Voz sintética :

Temos alguns artefatos que podem te interessar, por favor, prepare-se para receber os dados...

Narrador 1 :

...Rosa Aranha passou oito horas examinando os vários itens... Não tinha pressa, era muito velha para a impaciência, e os Investidores viviam para barganhar...

Narrador 2 :

...Eles ofereceram culturas de algas coloridas que produziam oxigênio e perfumes alienígenas...Estruturas de folhas de metal para defesa contra radiação...Técnicas raras que transmutavam fibras nervosas em cristal...Uma vara que transformava o aço em algo tão maleável que podia ser moldado à mão...

Narrador 3 :

...Um pequeno submarino luxuoso para a exploração de mares de amônia e metano, feito de vidro metálico transparente...Globos de silíca auto -replicantes que, enquanto cresciam, montavam um jogo que simulava o nascimento, crescimento e declínio de uma cultura alienígena... Um veículo para terra, mar e ar tão fino que podia ser vestido como uma roupa...

Rosa :

Não gosto de gravidade. Não gosto de planetas...

Investidores - Voz sintética :

Sobre certas circunstâncias, podemos fornecer um gerador de gravidade. Terá que ser totalmente vedado, como a vara e as armas, e alugado ao invés de vendido. Não podemos deixar escapar tal tecnologia...

Rosa :

Nossa própria tecnologia tem crescido tanto, que nem temos tempo de assimilá-la...Não vejo razão para quebrar a cabeça com mais...

Investidores :

Isso é tudo que podemos oferecer. O resto está na lista de produtos para raças que vivem sob condições de baixíssimas temperaturas e altas pressões. Temos produtos que você poderia gostar, mas que poderia matá-la. Ou sua própria espécie. A literatura sobre (algo intraduzível) por exemplo...

Rosa (com sarcasmo) :

Posso ler a literatura da Terra, se quiser ter uma visão alienígena das coisas...

Investidores :

(Não traduzível) não é na verdade literatura. É na verdade uma espécie de virus...

Narrador 1 :

...Um roach, isto é, um pequeno animal pousou no ombro de Rosa...

Investidores :

Animais de estimação ! Você gosta deles ?

Rosa :

Eles são meu consolo...

Investidores :

Faremos negócio....Dê-me 12 horas..

Narrador 2 :

...Ela foi dormir...Depois de acordar, estudou a nave dos Investidores através do seu telescópio. Todas elas eram cobertas de desenhos fantásticos em metal batido...cabeças de animais, mosaicos de metal, cenas e inscrições em baixo relevo, assim como naves de carga e instrumentos...

Narrador 3 :

...Especialistas podiam ver que em baixo dos desenhos, havia sempre uma mesma forma : um octaedro com seis compartimentos retangulares longos. Havia também rumores que as Naves foram compradas, achadas ou roubadas de uma raça mais avançada...Certamente, os Investidores com sua atitude de não interesse por ciência e tecnologia, não seriam capazes de construir tais Naves...

Narrador 1 :

...Eles retomaram o contato...Tinham um pequeno réptil alado com uma crista colorida...

Investidor :

Esse é o mascote de nosso comandante...Chama-se 'Narizinho dos Lucros'. É amado por todos nós. Nos custará muito se desfazer dele. É isso ou não faremos negócio.

Narrador 2 :

...Enquanto isso o pequeno animal brincava com o Investidor pegando seus dedos com suas mãozinhas...

Rosa :

Ele é o máximo. Me faz lembrar essa palavra antiga. Mas não queria negociar meu achado por um lagartinho carnívoro...

Investidor :

Imagine para nós ! (lamentando)...Condenar Narizinho a um lugar alienígena cercado de bactérias e vermes gigantes... Entretanto, não temos saída. Essa é a nossa proposta. Você ficará com ele por setecentos dias, mais ou menos quatro ou cinco . Voltaremos, então você poderá escolher entre ficar com ele ou devolvê-lo. Nesse meio tempo tem que prometer não vender a jóia a ninguém, nem informar de sua existência...

Rosa :

Quer dizer que deixarão seu bichinho comigo como depósito quanto à transação ?

Investidores :

Ele é a vítima de sua cruel indecisão, Lydia Martinez. Francamente duvidamos que possamos achar algo nesse sistema que possa satisfazer você tão bem quanto nosso mascote. Exceto talvez algum novo modo de suicídio...

Narrador 1 :

...Spider Rose estava surpresa. Nunca tinha visto antes os Investidores tão emocionalmente envolvidos, sempre tinham um modo afastado de vida, apesar de aparentarem em certos momentos algo parecido com senso de humor...

Narrador 2 :

...Rosa estava gostando da história...Tinha passado o ponto onde os produtos normais dos Investidores fossem uma tentação...Em essência estava negociando a jóia por um estado mental...Queria ficar interessada em algo...Encontrar algo que a ocupasse além das pedras e do espaço...

Rosa :

Tudo bem ! Concordo. Setecentos dias, mais ou menos cinco. E eu manterei silêncio...

Investidor (meio pedindo) :

Tome conta de nosso Narizinho dos Lucros. Nós ainda o queremos, mesmo que você por uma corrupção do espírito não o queira...Ele é valoroso e raro. Enviaremos instruções de como tratá-lo e alimentá-lo. Prepare-se para receber os dados...

Narrador 3 :

...Eles enviaram a nave de carga da criatura para um dos nodos da teia onde ela morava...A teia era construída na forma de oito raios, e eles ficavam rodando na força centrífuga causada pelas oito cápsulas que ficavam em suas pontas...

Narrador 1 :

...robôs de pernas de gancho correram pelas tiras de policarbono pegando o veículo de carga através de mãos magnéticas...Rosa dirigia o robô podendo sentir e ver através de pequenas câmeras ligadas diretamente ao seu cérebro...

Narrador 2 :

...Depois que o veículo de carga foi enviado para a nave dos Investidores eles partiram...Os robôs voltaram para sua garagem e automaticamente se desligaram, aguardando o próximo tremor da teia...

 
 

Cena 3

O Bichinho

Música de Introdução

Narrador 3 :

...Rosa abriu o compartimento de o mascote voou pela sala. Tinha a altura de seu joelho devia pesar por volta de 8 quilos. Planava musicalmente pelo compartimento....

Narrador 1 :

...olhando mais detidamente parecia com um bebê Investidor... e Rosa pensou :

Rosa :

Nunca vi uma criança da raça dos Investidores, e provavelmente nenhum humano tenha visto também...

Narrador 2 :

...Ele parecia realmente um bebê...era macio...tinha uns olhinhos alertas e seu peito se dilatava a cada respiração...As pupilas estavam dilatadas...Talvez em razão da luz. A nave dos Investidores era iluminada por uma luz ultravioleta...

Rosa : (maternal)

Temos que arranjar um nome para você ! Não falo a língua dos Investidores, então tenho que arranjar algo novo.

Narrador 3 :

...O mascote olhava fixo para ela com um semblante amigável...Escondia as orelhas em forma de pinha com suas asas transparentes...

Rosa :

Te chamarei de Fuzzy...

Narrador 1 :

...Ele desceu no chão, meio flutuando, abraçou sua perna e a lambeu com uma língua macia...Rosa ficou meio assustada, mas sabia que os Investidores eram basicamente não agressivos e um bichinho de estimação deles não o seria também...Ele fez alguns sons engraçados e pulou para sua cabeça, apanhando punhados de fibras óticas, ela sentou em seu console e procurou por dados de cuidados e alimentação...

Rosa :

Claramente os Investidores não pensavam em negociar seu mascote, pois suas instruções são quase indecifráveis. Foi traduzida de uma linguagem mais profunda alienígena. Ainda bem que, na tradição dos Investidores, certos aspectos práticos tinham sido enfatizados...

Música corta o clima...

Rosa : (para si mesma)

Relaxe. Ele praticamente pode comer qualquer coisa, ainda que prefira proteinas e alguns minerais facilmente encontráveis. É extremamente resistente às toxinas e não tem bactérias instestinais nativas. Os investidores consideram as raças que as têm como selvagens...

Narrador 2 :

...Rosa ficou procurando nos dados enviados pelos Investidores por algo que fosse útil, entre gráficos e planilhas técnicas em linguagem alienígena. De repente ela reconheceu algo : uma carta genética...

Narrador 3 :

...Ela foi avançando por entre o emaranhado de dados genéticos que mais parecia um tratado...Chegou, finalmente, a uma ilustração tridimensional de um construto genético fantasticamente complexo. Tinha longas cadeias de genes alienígenas marcados por cores estranhas...

Narrador 1 :

...As cadeias de genes se torciam ao redor de longas espirais ou espículos que emergiam como raios de um grande e denso nó central...Outras cadeias mais finas ligavam algumas espirais...Aparentemente estas cadeias secundárias ativavam apenas as espirais que estavam conectadas...Rosa pensou :

Rosa : (sorrindo)

Certamente um Shapper treinado em genética tiraria grande proveito desses mapas...Fico feliz que isso nunca irá acontecer. Certamente esse bichinho é uma espécie de complexo industrial genético, pois tem mais hardware genético que qualquer outro animal jamais necessitaria.

Narrador 2 :

...Rosa sabia que os Investidores não se interessavam por genética...Imaginava qual das 19 raças inteligentes conhecidas teria originado essa coisa... Poderia ser de fora do campo de atuação dos Investidores, ou uma relíquia de uma raça já extinta...

Narrador 3 :

...Pensou em apagar os dados...Se morresse eles poderiam cair em mãos erradas... O pensamento na sua própria morte trouxe uma sombra de depressão profunda...

Rosa : (deprimida)

Os Investidores foram descuidados em me fornecer esses dados. Ou talvez tivessem subestimado as habilidades genéticas dos belos Shappers. Eles e sua capacidade intelectual artificialmente alta.

Narrador 1 :

...Rosa sentiu, por trás das drogas químicas repressoras, uma profunda inveja dos Investidores, por sua arrogância e confiança que os permitia cruzar as estrelas comerciando com seus inferiores... Queria ficar com eles... Queria estar a bordo de uma nave mágica, sentir um Sol alienígena esquentando sua pele em algum lugar anos-luz distante da fraqueza humana...

Narrador 2 :

...Queria sorrir e sentir-se como uma garotinha tinha gritado e sentido a 193 anos atrás nas costas rochosas da Califórnia. Gritar com toda a intensidade pura dos sentimentos, com a confiança e segurança que sentia quando nos braços de seu marido... Seu homem. Morto a já trinta anos... Morto (desacelerando...). Trinta anos...

Narrador 3 :

...Abriu um compartimento e cheirou algo num esterilizador... Aplicou uma injeção também...Sua cabeça doendo como se algo tivesse passado sobre ela... Pegou os dados dos Investidores e os escondeu, sem nome, num canto obscuro da memória de seu computador... Cedo seria ela novamente... Sorriu. Tomou um tranquilizante oral para parar de tremer e um antiácido para o estômago... Ficou brincando com o mascote até que ele cansado foi dormir...

Música faz o corte.

Narrador 1 :

...Por quatro dias ela o alimentou cuidadosamente, sendo minuciosa para não superalimentá-lo... Era um bichinho amigável e tinha medo que se machucasse sózinho... Depois de comer, ficava horas brincando com os fios, ou ficava sobre sua cabeça observando os monitores enquanto ela controlava os robôs de mineração...

Cena 4

A Transformação

Narrador 2 :

...No quinto dia o mascote sumiu...Rosa o procurou por horas seguidas e só encontrou um casulo do tamanho dele num canto de um dos banheiros...Tinha entrado em uma espécie de hibernação. Foi tomada de um certo temor... Examinou o casulo mais de perto... Não era totalmente regular, tinha dois pontos salientes na altura dos pequenos braços...

Narrador 3 :

...A semana que ele passou hibernando foi um período de extrema ansiedade para Rosa... Procurou nos dados dos Investidores, mas eles eram muito criptográficos para seu entendimento...Ao menos sabia que não estava morto, pois o casulo estava quente e de vez em quando algo internamente se movia...

Narrador 1 :

...Rosa estava dormindo quando o casulo começou a ser quebrado... Tinha deixado um monitor de alarme...O casulo foi dividido em dois, e entre suas folhas foi saindo uma pequena palma de mão com cinco dedos, coberta de pelos brilhantes...

Música de suspense...

Narrador 2 :

...Se parecia com um pequeno macaco, pequeno, macio e brilhante...Tinha dentes humanos por trás de lábios humanos em seu sorriso...Tinha também pés de criança e pernas arcadas, e perdera as asas... Seus olhos eram da mesma cor dos de Rosa... A pele macia de seu rosto era rosada como alguém bem saudável... Saiu flutuando pelo ar, a sua língua aparecendo enquanto resmungava sílabas humanas...

Narrador 3 :

...Ele se moveu e abraçou sua perna...Ela estava assustada, encantada e profundamente feliz...

Rosa :

Fuzzy ! Fico feliz em te ver. Muito feliz !

Fuzzy :

Wa ! Wa ! Wa ! (imitando sua entonação e voz de criança).

Narrador 1 :

...Nisso voltou em direção ao casulo e começou a comê-lo... Rosa entendeu então por que os Investidores foram tão relutantes em oferecer seu mascote... Tratava-se de um item de um valor fantástico... Um artefato genético, capaz de julgar as necessidades e desejos emocionais de uma espécie alienígena e se adaptar em questão de dias...

Rosa :

Será que os Investidores compreendem perfeitamente o que significa o mascote ? Certamente eles não sabem da grande quantidade de dados que vinha junto com ele. Provavelmente adquiriram-no de outros Investidores em sua forma reptílica. É mesmo possível que seja mais velho que a própria raça dos Investidores.

Narrador 2 :

...Rosa olhou bem em seus olhos : eram claros, sem maldade e confiáveis. Usava suas mãos com maestria e elegância... Não pôde resistir e o pegou no colo, enquanto ele balbuciava de prazer...

Rosa :

Sim você poderia viver por centenas, talvez milhares de anos, espalhando seu amor, ou outro sentimento equivalente, entre dezenas de espécies diferentes. E quem poderia lhe causar algum mal ? Mesmo as raças mais violentas e depravadas têm seus pontos fracos.

Narrador 3 :

...Se lembrava das histórias dos campos de concentração, onde os mesmos soldados que reduziam homens a pedaços sem piedade, alimentavam carinhosamente os pássaros durante o inverno...

Rosa :

Quem pode resistir aos seus poderes maravilhosos ?

Narrador 1 :

...Não era inteligente, e nem precisava... Não era sexuado também... A capacidade de reprodução teria arruinado seu valor... Além disso duvidava se algo tão complexo poderia crescer num tubo de ensaio...Seus genes tinham que ser construídos um a um, em algum laboratório inimaginável...

Narrador 2 :

...Com o passar das semanas sua habilidade para sentir suas necessidades aumentaram de forma fantástica... Quando precisava, ele estava sempre por perto, quando não ele sumia... Era perfeito... Uma vez e somente uma vez tinha imitado Rosa, repetindo uma frase sua perfeitamente. Ela ficou chocada e ele sentiu sua reação imediatamente. Nunca mais falou...

Narrador 3 :

...O bichinho parecia mais feliz quando ela estava feliz. Spider Rose pensava na barganha que estava fazendo com os Investidores...Agora, pela primeira vez em décadas, sentia um vago acordar de seu senso de propósito, queria ver pessoas, dezenas delas, centenas...Todos aqueles que pudessem admirá-la, protegê-la, achá-la preciosa... Aqueles que ela pudesse cuidar, e que a fariam sentir-se mais segura do que ela se sentia com apenas uma companhia...

 
 

Cena 5

A Batalha Final

  Narrador 1 :

...Sua teia entrava agora parte mais perigosa da órbita, onde cruzava o plano do Anel. Aqui tinha que ficar trabalhando todo tempo, capturando os pedaços de material bruto - gelo, asteróides de carbono, minérios metálicos - onde tinha que minerar através dos robôs teleguiados... Aqui havia muitos assassinos... piratas selvagens e habitantes paranóicos...

Narrador 2 :

... Em sua órbita normal, longe do plano da eclíptica, estava segura... Mas aqui havia ordens para ser enviadas, energia a ser gasta, os monitores sempre enviando sinais de grandes rochas a serem mineradas... Mas era um risco imenso. Mesmo o habitat mais bem desenhado não teria uma segurança completa, e o seu era grande e antigo...

Narrador 3 :

... Eles a encontraram......................... 3 naves... Rose tentou enganá-los por alguns instantes, enviando mensagens de alarme através de transmissor de luz remoto... Eles destruiram o transmissor... Através dele estabeleceram também sua localização exata...

Narrador 1 :

...Três naves suaves... Cápsulas irradiantes, metade metal - metade orgânicas, com longas asas abaoladas na forma de asas de insetos... Captadores solares tão finos quanto o rastro do óleo na água... Uma espaçonave Shapper... Muito bem equipada com uma grande quantidade de sensores... e .... seu sistema de armamentos - magnéticos e óticos... Graciosas garras manipuladoras de grandes equipamentos, dobradas como pernas de um gafanhoto....

Narrador 2 :

...Rosa sentou-se conectada a seus sensores... estudando seus movimentos... manipulando dados : probabilidades de ataque, traço do alvo, estado das armas... o radar era muito arriscado; a observação era ótica... Bom para os lasers, que não eram suas melhores armas... Poderia acertar um, mas os outros... Melhor era ficar quieta enquanto eles cruzavam o Anel saindo de leve do alvo...

Narrador 3 :

...Mas eles a haviam encontrado... Viu que mudaram de rota e ativaram suas máquinas iônicas... ... Eles enviavam sinais de rádio. Ela se colocou no vídeo com um olhar seguro...

Narrador 1 :

...Uma face Shapper de linhagem genética oriental apareceu no monitor... cabelos espetados com pequenas jóias penduradas por trás, olhos esticados de um castanho escuro, lábios pálidos ligeiramente inclinados num sorriso carismático... Um dissimulado... uma cara limpa de ator com olhos brilhantes de um fanático...

Rosa :

Jade Prime !

Jade :

Doutor Coronel Jade Prime - acariciando sua ensígnia... Ainda a chamam de Rosa Aranha, hoje em dia, Lídia ? Ou foi tudo drenado de seu cérebro ?

Rosa :

Porque você é um soldado e não um defunto ?

Jade :

Os tempos mudaram, Spider... As luzes da juventude se desvaneceram... para você e seus amigos, e aqueles que como nós tem planos de longo prazo, precisamos resgatar antigos débitos. Você se lembra de seus débitos, Spider ?

Rosa :

Você realmente pensa que sobreviverá a este encontro, Prime ? Três naves pilotadas por seus clones... Quanto você irá mais se corroer como um verme em uma maçã... Clonando... clonando... Quando foi a última vez que uma mulher teve coragem de tocá-lo ?

Jade :

Não adianta, Spider... Você já matou 37 de mim antes, e eu simplesmente voltei, sempre. Sua vaca velha patética, quem é o verme então ? Talvez esse mutante pendurado em seu ombro ?

Narrador 2 :

Rosa não havia percebido que o bichinho estava ainda em seu ombro... Seu coração se encheu de temor por ele...

Rosa :

Você está muito perto !

Jade :

Atire então, sua velha cretina !

Ruídos de batalha.... Crescendo... Corte

Rosa :

Você não é ele !... Você não é o Jade verdadeiro ! Hah ! Ele está morto, não é ?

Narrador 3 :

A cara do clone ficou crispada de raiva... Lasers brilharam, e três dos nodos derreteram como pasta numa nuvem de plasma metálico... Um raio de luz na cabeça de Rosa pelos três telescópios derretidos...

Ruídos de batalha.... Crescendo.........

  Narrador 1 :

Ela respondeu com um tiro de canhão com bolas de metais magnéticos... a 400 milhas por segundo, eles reduziram a primeira nave a uma nuvem de gelo...

Ruídos e explosões ....

Narrador 2 :

Duas naves destruídas... Eles usaram armas que ela nunca tinha visto antes e amassaram os nodos como um punho gigante... A estação se inclinou com o impacto, seu equilíbrio se foi... Rosa percebeu instantaneamente quais armas ainda funcionavam, e atirou com balas de aço cheias de amônia congelada... Atingiu a lateral de material orgânico da segunda nave... os pequenos buracos fecharam imediatamente... mas o objetivo tinha sido atingido, pois as balas liberaram uma toxina nervosa fatal...

Narrador 3 :

A última nave tinha 3 chances em uma de acertar o centro de comando... Duzentos anos de sorte jogavam por Rosa... Todas as luzes estavam apagadas, e seu computador estava a ponto de entrar em 'crash'... Ela gritava e pedia pela morte...

Narrador 1 :

Mas a morte não veio... A boca cheia de bílis de náusea... Tirou o capacete e aplicou um líquido traquilizante diretamente no cérebro... Respirando com dificuldade, Spider sentou novamente na cadeira de comando, seu pânico já passando...

Rosa :

Pulso eletromagnético... Acabou com tudo que eu tinha... Teria terminado conosco (olhando para o bichinho) se pudesse ! As nossas defesas devem ter respondido automaticamente dos outros nodos assim que o mainframe quebrou...

Narrador 2 :

O bichinho pulou em seu colo suando de terror... Ficou acariciando levemente seu pescoço de pelos macios... Estava tudo escuro...

Rosa :

Vamos ver... A arma de toxinas está fora de uso...

Narrador 3 :

Rosa retirou todos os plugs presos em seu pescoço...

Rosa :

Então foi o spray... uma nuvem fina de cobre líquido ionizado... Queimou todos os seus sensores... Agora está rodando sem destino num caixão metálico... Exatamente como nós...

Corte musical ....

Rosa : (gargalhando)

Exceto que a Velha Rosa tem um truque a mais, baby ! Os Investidores... Eles estarão atrás de mim... E ninguém está atrás dele... E além de tudo, ainda tenho a pedra...

Narrador 1 :

Rosa permaneceu sentada em silêncio a calma a fez pensar o impensável...

Narrador 2 :

O bichinho em seu colo, tinha se acalmado com as carícias... Ela não queria que ele sofresse...

Narrador 3 :

Usou a mão que estava livre sobre sua boca e virou o seu pescoço até que ele quebrou... A gravidade gerada pelo movimento centrífugo aumentou ainda mais sua força, assim ele não teve tempo de reagir... Um tremor final agitou seu corpo... Rosa ficou segurando na escuridão... Ouviu sua última batida de coração...

Rosa :

Não temos oxigênio o bastante ! Os tapetes de algas manterão o ar limpo por algumas semanas, mas morrerão sem luz... E eu não posso comê-los. Não tenho comida o suficiente, baby ! Os jardins se foram, e mesmo que estivessem lá, não poderia ter acesso a eles, pois os robôs estão quebrados... Não posso nem abrir as portas externas... Se eu conseguir viver o suficiente eles virão me resgatar... Tenho que aumentar minhas chances. É a coisa mais sensata... Quando se está nessa situação, o melhor é fazer as coisas mais sensatas...

Narrador 1 :

Quando Rosa já tinha comido tudo possível, esperou por um longo tempo na escuridão... Então Rosa comeu a carne de seu bichinho, meio esperando que ele pudesse envenená-la...

Música Triste....

Narrador 2 :

Quando ela viu pela primeira vez a luz azulada dos Investidores através da abertura dos compartimentos, tentou se levantar com as mãos quase só osso, virando os olhos...

Narrador 3 :

O explorador dos Investidores vestia uma roupa especial para protegê-lo das bactérias, ela estava feliz por ele não ter que sentir o cheiro do lugar... Ele falou com ela na linguagem sibilada dos Investidores... Mas seu tradutor estava quebrado...

Narrador 1 :

Rosa pensou por um momento que eles a fossem abandonar... Mas eles a levaram para bordo da espaçonave, limparam-na com seus antissépticos, banhando sua pele com raios ultra violetas...

Narrador 2 :

Eles já tinham a pedra, isso Rosa sabia... Mas o que eles queriam saber era o que havia sido feito com seu mascote... Era difícil entender seus gestos e as tentativas de falar algo como a linguagem humana...

Narrador 3 :

Ela estava passando mal... Tinha se maltratado... Overdoses na escuridão... Algo estava acontecendo dentro dela... Sua barriga estava esticada como um tambor, e seu pulmão doia muito... Os ossos estalavam... e as lágrimas não saiam...

Narrador 1 :

Eles tentaram ajudá-la... Ela queria morrer... Ela queria seu amor e compreensão... Ela queria....

Narrador 2 :

Sua garganta estava cheia de algo... Ela não conseguia mais falar... Sua cabeça estava cambaleante, e os olhos doiam ao menor contato com a luz... Ouvia pequenos ruídos quando tentava fechar a boca...

Narrador 3 :

Sua respiração finalmente parou... Veio de repente... Movimentos antiperistálticos e a boca cheia de fluídos...

Narrador 1 :

Um branco vívido saiu de sua boca e narinas... Sua pele se desfazia ao menor toque... Um frio enorme se apossou dela como ondas e mais ondas cobrindo toda a sua pele...

Narrador 2 :

Rosa relaxou tomada por uma gratidão quase sensual... Dormiu... Não tinha fome... Tinha massa em excesso...

Narrador 3 :

Em oito dias ela quebrou as folhas brilhantes que formavam seu casulo, e flutuou na nave apoiada em sua asas... Esperta e querendo contato...

 

Wilson Sukorski

São Paulo, Junho 95.